Primeiras reflexões político-estratégicas do ataque terrorista em Nova York

Publicado: 2017-11-04   Clicks: 567

     Primeiras reflexões político-estratégicas do ataque terrorista em Nova York

     Tradução: Graça Salgueiro

    Cover El cartel Farc (I)O ataque terrorista perpetrado por um sujeito de nacionalidade uzbeke a bordo de um caminhão em Nova York nas ciclovias da rua West Side, tem todas as características de um ato perpetrado por uma célula jihadista do ISIS, dada a similitude do modus operandi com atentados perpetrados por este grupo em diferentes lugares do mundo.

     Embora as autoridades nova-iorquinas tenham se apressado em assegurar que é certamente um ato terrorista mas que é isolado, perpetrado por um “lobo solitário”, a situação indica outras realidades que os países afetados pelo jihadismo não querem reconhecer.

     O ataque é icônico porque realizou-se em uma data importante para as crianças nos países ocidentais, especialmente Estados Unidos. Coincide com o anúncio dos países com interesses geo-políticos no Oriente Médio de que supostamente o ISIS está encurralado. E se executa no Baixo Manhattan, muito perto do World Trade Center, para demonstrar que o jihadismo está vivo dentro dos Estados Unidos e qualquer país ocidental.

     Segundo informações iniciais do New York Times, ele utilizou um veículo alugado em New Jersey, o que coincide com outros atos similares em outros países. Entretanto, como costuma acontecer em eventos realizados por terroristas, há muita especulação inicial.

    Está provada a presença de milhares de uzbekis combatendo com o ISIS no Oriente Médio, o que é um sério indício para os governos afetados pelo jihadismo que, devido à metodologia de vinculação familiar dos jihadistas no mundo, é óbvio que os uzbekis residentes nos Estados Unidos devem ser controlados pelos organismos de segurança, assim como os imãs das mesquitas onde estas pessoas assistem, pois no geral é onde se radicalizam.

     Não é certo que existam “lobos solitários” porque o ISIS, a Al-Qaeda, os Talibãs e inclusive os shiitas do Hezbolah são organizações terroristas piramidais estruturadas, nas quais as células desenvolvem tarefas pré-aprovadas pela direção, principalmente neste caso em que se pretendia agredir o elo mais fraco da cadeia de valores ocidentais pois, ao que parece, o objetivo final era assassinar as crianças que saíam de uma escola pública, precisamente no dia mais icônico das crianças ocidentais.

    Ademais, por documentos apreendidos dos jihadistas, sabe-se que assim como os islâmicos pretendem desenvolver a estratégia do ventre para incrementar o número de muçulmanos no Ocidente com vistas a avançar para o objetivo final da islamização planetária dirigida por um califato central, é necessário eliminar na raiz os infiéis cruzados e judeus, assassinando suas crianças.

     Principalmente porque o dia e a noite das bruxinhas são vistas pelos puritanos ultra-ortodoxos salafistas sunitas, como um procedimento de heresia que deve ser castigado com a morte dos infiéis, por ir contra o profeta e Alá.

     De quebra, este não será o último ataque terrorista do jihadismo nos Estados Unidos, pois lá há muitas células jihadistas estimuladas por imanes quase todos treinados na Arábia Saudita sob a égide do salafismo puritano, e imbuídas por conceitos doutrinários de ódio contra infiéis judeus e cristãos ou apóstatas shiitas e não-salafistas.

     E essas células se multiplicam com mensagens atrozes convertidas em atos de fé, devido a que os doutrinadores de novos terroristas apresentam aos olhos e ouvidos dos jihadistas que os suicidas islâmicos são mártires da causa, que chegarão ao céu e que devem ser imitados.

     Tudo parece indicar que por estar imersos em disputas políticas internas, ataques mútuos partidaristas, interesses pessoais e desejos de poder, os governantes dos países afetados pelo jihadismo continuam desfocados da gravidade do problema e em contraste, os jihadistas, acobertados com as garantias sociais, políticas e migratórias dos que os acolhem, continuam desenvolvendo sua luta demencial contra quem lhes dá a mão.

    Em conseqüência, é provável que virão mais ações terroristas do jihadismo nos Estados Unidos e nos países ocidentais, sem que haja coordenação suficiente dos organismos de segurança para preveni-los, sem que se controle efetivamente os imãs extremistas e sem que se atue com certeza sobre as comunidades com nexos sangüíneos com os jihadistas que delinqüem no Oriente Médio, em nome da irmandade e solidariedade muçulmana do mundo.

     * Coronel Luis Alberto Villamarín Pulido

     * Analista especialista em defesa nacional, estratégia e geo-política, consultor convidado da rede CNN en Espanhol.

      www.luisvillamarin.com

 

Lectores de Geopolítica del Terrorismo Islámico también leyeron:

operacion odiseoimagen operacion sodomaimagen operacion jaqueimagen complot contra Colombiaiamagen el cartel de las Farc (II) imagen en el infiernoimagen selva rojaimagen in hellimagen ¿Ceso la horrible noche?imagen drama pesadilla y espectaculoimagen deyanira canto de guerra y pasimagen condor en el aireimagen farc terrorismo na amaerica do sulimagen la silla vaciaimagen el eln por dentroimagen ganar la guerraimagen conexion al qaedaimagen isis estado islamicoimagen narcoterrorismo la guerra del nuevo sigloimagem primavera arabeimagem guerra sicológica

 

 

 

Reciba gratis noticias, articulos y entrevistas

* indicates required

Maintained and Created by: { lv10 }

LuisVillamarin.com, 2015©